Menu

[ Ano que vem chegam duas marcas de carros elétricos no Brasil. Desde 2012 que a Novaes equipa seus empreendimentos com tomada para o abastecimento desses carros. ]

Home » Novidades » Ano que vem chegam duas marcas de carros elétricos no Brasil. Desde 2012 que a Novaes equipa seus empreendimentos com tomada para o abastecimento desses carros.

17-09-2018

Que a Novaes era elétrica, você já sabia. 

Mas agora você descobriu que ela também é a mais antenada com o futuro.

Se você comprar um imóvel da Novaes entregue em 2016 pode se mudar tranquilo com o seu carro elétrico, a Novaes já tinha pensado nisso também.

Foi da mesma maneira com as tomadas USB, a Novaes foi a primeira a equipar todos os apartamentos e áreas comuns dos empreendimentos com tomadas USB.

A gente trabalha duro de olho no futuro que é pra você poder viver sintonizado com a teconologia, com o conforto e com o bem estar.

Vantagens de quem troca o metro quadrado pelo metro pensado.

 

Confira, abaixo, a ótima matéria do DN sobre o assunto

Ou clique aqui e veja a matéria completa no site do jornal

 

Elétrico: você ainda terá um

A indústria já decidiu: o futuro será dos totalmente elétricos. E no Brasil ano que vem dois carros chegam

Nova geração do Nissan Leaf: ano que vem virá ao Brasil para competir nesse mercado; preço ainda não revelado e a montadora não confirma; modelo traz baterias de 40 kwh e tem autonomia de 240 quilômetros ( Fotos: Arquivo )

A frota global de veículos elétricos não passava de algumas centenas de unidades em 2005. Já em 2017, foram vendidos mais de três milhões de carros elétricos e neste ano são quatro milhões até setembro.

A necessidade de reduzir as emissões de gases efeito estufa fez os países da Europa, além de Estados Unidos e Japão investirem pesado no setor. A expectativa é de que 2020 sejam comercializados mais de 20 milhões de carros elétricos globalmente. Os investimentos previstos de apenas nove empresas são equivalentes a R$ 560 bilhões até 2022.

Mas no Brasil o segmento ainda está engatinhando. Foram vendidas no ano passado 3.296 unidades, o triplo do que foi vendido em 2016 (1.091), portanto nada comparado com mercados da Europa e Ásia. Os híbridos (que combinam motor a combustão com elétricos), dominam as vendas, com o Toyota Prius na liderança.

De qualquer forma o carro elétrico não é uma necessidade imperiosa no Brasil como em outros países, onde a questão ambiental exige a redução drástica de emissões, afinal, o etanol já é o suficiente para a redução de emissões. Os veículos automotores são responsáveis por 24% das emissões de gases de efeito estufa, o que faz dos elétricos um recurso obrigatório para o cumprimento do Acordo Climático de Paris, de 2015.

Mesmo assim, algumas montadoras farão lançamentos de carros elétricos puros no Brasil. Tudo indica já no ano que vem, apesar de não anunciarem oficialmente. Aqui comentarei dois modelos: o Leaf, da Nissan, e o Bolt, da Chevrolet.

O Nissan Leaf Nismo começou a ser vendido no dia 31 de julho, no Japão. Pela primeira vez, o modelo associa a empolgação e as tecnologias avançadas do campeão mundial de vendas do segmento elétrico com a performance e a imagem esportiva dos carros Nismo. O Nissan entrega acelerações mais ágeis, tem suspensão e pneus customizados, oferecendo melhor dirigibilidade e conforto de condução, além de um design interno e externo estiloso. O modelo é baseado no novo Nissan Leaf, que foi lançado em outubro de 2017.

O novo Leaf oferece a impressionante aceleração e a performance ambiental de um motor 100% elétrico, design dinâmico e tecnologias avançadas como o e-Pedal, bem como os dispositivos de condução autônoma ProPILOT e ProPILOT Park.

A Nissan pretende vender anualmente 1 milhão de elétricos no mundo, incluindo o novo Nissan Leaf, até o ano fiscal de 2022. No Brasil, a geração anterior do Leaf equipou a polícia do Rio de Janeiro e foi Táxi em São Paulo. Testei um em evento da marca, em Fortaleza.


Por dentro do Chevrolet Bolt, o elétrico que já é sucesso nos Estados Unidos e custa lá US$ 40 mil; por aqui a expectativa é de que custe R$ 200 mil 

A Chevrolet também está atenta a tudo isso. No último Salão de Detroit, em janeiro, Carlos Zarlenga, presidente da General Motors no Mercosul, confirmou que a empresa vai mesmo lançar o hatch elétrico Chevrolet Bolt no Brasil. O desembarque será em 2019, quando projeta-se o início das vendas em concessionárias. Detalhe: terá preço menor que o Camaro, segundo o executivo.

Acima, o motor elétrico da segunda geração do Leaf, carro da Nissan; logo abaixo o painel, com indicação de como está a bateria para autonomia do veículo

O Bolt é um hatch 100% elétrico que é alimentado por baterias de 60 kwh, que dão uma autonomia, com carga completa, de 380 quilômetros. O Bolt EV, por exemplo, custa cerca de US$ 40 mil, nos Estados Unidos. No Brasil, ainda não existe um valor oficial, mas certamente não será barato mesmo com a redução autorizada da alíquota do IPI dos carros ecologicamente corretos. O novo regime do Governo Federal, Rota 2030, estimulou as montadoras para investirem nesses veículos por aqui. Tomara que isso reflita também no bolso do consumidor, com carros mais baratos e com tecnologia inovadora. Vamos aguardar para saber os preços oficiais e avaliar o impacto.

Linha do tempo

1830 - Surgem primeiros veículos elétricos, construídos na Escócia e Holanda

1880 - França e Inglaterra iniciam venda de carros elétricos a bateria

1886 - Karl Benz e Gotlieb Daimler responsáveis pelos primeiros carros com motores de combustão interna a gasolina; indústria opta pelo motor a combustão

2006 - Fiat faz protótipo de um Palio elétrico no Brasil

2015 - BMW vende no Brasil primeiro totalmente elétrico, o i3